Diogo do Couto, historiador e guarda-mor da Torre do Tombo de Goa

5
0
Diogo do Couto nasceu em 1542, em Lisboa, filho de Gaspar do Couto e Isabel de Serrã de Calvos. Em criança estudou no Colégio de Santo Antão, onde aprendeu Latim e Retórica, tendo posteriormente cursado Filosofia no Convento de Benfica.
Em 1559 partiria para o Estado da Índia, onde se instalaria durante uma década. Posteriormente, referindo-se à viagem que ligava Portugal às Índias, Diogo do Couto escreveria que se o Oceano, em vez de água, fosse uma estrada, estaria “toda calçada de ossos de Portugueses, perdidos em tão perigosa viagem”.
Amigo íntimo de Luís Vaz de Camões, encontrá-lo-ia na Ilha de Moçambique, em 1569, estando este último num estado miserável, sem dinheiro para retornar a Portugal. Diogo do Couto e outros amigos ofereceram-se para ajudar o poeta, que assim foi capaz de publicar na capital o seu Magnus Opus, “Os Lusíadas”.
A viagem de regresso atracaria em Lisboa em abril de 1570 na nau Santa Clara, num retorno que seria descrito por Oliveira Martins: “Em Cascais, as naus fundeadas esperavam que Diogo do Couto voltasse de Almeirim, onde fora solicitar de el-Rei a sua entrada no Tejo, porque Lisboa estava fechada com a peste. Logo que a ordem veio, Santa Clara entrou a barra.”.
Diogo do Couto voltaria ao Oriente para cumprir a missão que recebera do Rei Filipe I de Portugal, prosseguir a escrita das “Décadas” de João de Barros, uma obra que narrava os feitos dos portugueses na Ásia. Diogo do Couto escreveria as “Décadas” compreendidas entre a IV à XII, mas só chegaria a publicar a IV, V e VII e um resumo da VIII e IX, já que a VI ardeu na casa de imprensa, a VIII e IX foram roubadas e a XI foi perdida. A XII seria publicada após a sua morte.
Além das “Décadas”, Diogo do Couto escreveu orações congratulatórias e comemorativas, proferidas em solenidades no Oriente, relatou o naufrágio da Nau S. Tomé, parte da História trágico-marítima e o redigiu o célebre “Diálogo do Soldado Prático”, onde estava contida uma critica feroz ao comportamento de alguns administradores da Índia portuguesa, nomeadamente a sua ambição por riqueza, a falta de dignidade e a deslealdade nas informações ao Rei.
Diogo do Couto seria ainda guarda-mor do Arquivo da Índia, a Torre do Tombo de Goa, vindo a falecer nesse território aos 74 anos, a 10 de dezembro de 1616, há exatos 404 anos.
(Na imagem, ilustração do jornal “O Panorama”, de 1837, parte da coleção privada de Nuno Carvalho de Sousa)
Miguel Louro
Artigo anteriorPatriotismo sim, nacionalismo não
Próximo artigoHoje, há cinquenta e sete anos, era invadida a nossa Índia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui